Métodos que auxiliam no tratamento e regressão da displasia coxofemoral em cães de médio e grande porte

Métodos que auxiliam no tratamento e regressão da displasia coxofemoral em cães de médio e grande porte

 

A displasia coxofemoral é uma doença com carácter hereditário muito comum em caninos que é agravada por fatores ambientais. Algumas raças são mais suscetíveis a esta doença: Golden, Rottweiler, Labrador, Pastor Alemão e Buldogues.
A displasia coxofemoral caracteriza-se pela diferença entre o crescimento do quadril, do acetábulo, do colo e da cabeça do fêmur, o que gera uma incongruência na articular e alteração dos tecidos conectivos da articulação.
 
INTRODUÇÃO
Esta anormalidade que ocorre entre a cabeça do fêmur e o acetábulo, manifesta-se por meio da combinação entre o genótipo do indivíduo e fatores ambientais que o animal foi exposto durante sua fase de desenvolvimento.
 
Atualmente existem diversos métodos que são eficazes na regressão do quadro clínico da displasia coxofemoral.
O tratamento da doença inicia com exames radiológicos com o objetivo de observar o grau de desenvolvimento da patologia.
A cirurgia de substituição, a acupuntura como tratamento fitoterápico e implantes de ouro têm se mostrado mais eficiente na recuperação do paciente, apresentando melhora na postura do animal e no seu prognostico positivo em atividades físicas.
A utilização do plasma rico em plaquetas também é um método relevante para o assunto em causa embora seja um tratamento conservador.
 
TRATAMENTO NO QUESITO DOR
Impedir que os animais se reproduzam ou combiná-los de modo que seja prevenida descendência afetada é a abordagem mais lógica para a erradicação de uma doença genética.
 
A melhor opção de tratamento de cães com doença articular degenerativa resultante da displasia da anca é a substituição total da mesma. Esta cirurgia é usada quando ocorrem situações de substituição da articulação normal por uma artificial e é usada quando a articulação não é mais funcional.
 
Para além de próteses cimentadas e não cimentadas, várias técnicas foram mencionadas para a cura deste problema.
 
1. Prótese
Esta técnica consiste na substituição do acetábulo com a implementação de um cálice de polietileno. Uma implementação de uma cabeça e corpo femoral de aço inoxidável ou titânio também complementam esta técnica.
 
2. Denervação da cápsula articular coxofemoral
Esta técnica tem um intuito analgésico. Realizam-se secções seletivas de fibras sensitivas da cápsula articular. A remoção semicircular do periósteo na margem cranial do acetábulo que se mostrou também muito efetiva no quesito dor.
 
3. Tratamento específico
O plasma rico em plaquetas apresenta-se como um recurso de fácil acesso, correspondendo a uma alternativa ao tratamento conservativo, tendo efeitos positivos sobre a cartilagem degenerada.
 
4. Acupuntura
Este tratamento mostra-se muito eficaz quando associado a outro tipo de tratamento mencionado em cima. Tendo em conta que esta associação já foi estudada e analisada, a técnica da acupuntura mostrou ser uma técnica eficiente e com resultados visíveis.
 
5. Implantes de ouro (IO)
Esta técnica tem-se mostrado eficaz no mercado veterinário. Baseia-se na implementação de fragmentos de ouro nos principais pontos de gatilho da displasia coxofemoral, causando estimulações de longa duração
 
MÉTODO EFICAZ NO QUESITO DIAGNÓSTICO
A radiografia foi o método de diagnóstico que mais se mostrou eficaz para a deteção da displasia coxofemoral.
 
BIBLIOGRAFIA
Alves, M., 2019. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. [online] Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Disponível aqui [Accessed 20 May 2021]